O que aprendi com as minhas reprovações em concursos públicos

O que aprendi com as minhas reprovações em concursos públicos?

Por mais preparo, determinação e empenho que você tenha, as reprovações em concursos públicos são obstáculos pelos quais você terá que passar. No entanto, sabemos que “falhar” sempre tem um gosto amargo.

No entanto, a reprovação não é o fator mais importante – ela também faz parte de uma jornada de sucesso.

Isso porque, o que realmente importa é como o candidato lida com isso, ou seja, o que fazer após as reprovações em concursos.

Alguns vão se deprimir e desistir, outros vão ter uma grande desilusão e levarão um tempo para digerir, enquanto terceiros vão usar a reprovação como oportunidade.

As reprovações em concursos públicos devem ser vistas como parte do processo e, dessa maneira, é necessário buscar ver onde errou e aprender com os erros para não cometê-los novamente.

Quem me vê hoje, como Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, nem imagina quantas reprovações em concursos sofri desde 1991.

E posso te afirmar que todas elas foram essenciais para que eu alcançasse o sucesso que hoje alcancei.

Se você acabou de “tomar bota” em algum concurso, te recomendo a continuar a leitura. Convidei o Master Coach Felipe Lima para conversarmos um pouco sobre a relação entre aprendizado, superação e reprovações em concursos públicos. Confira!

Fazemos apenas uma breve pausa no artigo para deixar claro que nós, Alexandre Meirelles e Felipe Lima, não temos qualquer relação com a Estudaqui e que não ganhamos nada ao escrever esses artigos e nem ao indicar o aplicativo Estudaqui. Indicamos o aplicativo e apoiamos o site porque gostamos e porque eles são realmente os melhores do mercado no que fazem, são de longe a melhor opção!

Primeira lição: não menospreze as disciplinas que você não gosta ou que tenham mínimo

Com 13 para 14 anos de idade, eu estudei para concursos de escolas militares e o mais desejado era o do Colégio Naval, em Angra dos Reis – RJ.

Fui aprovado na prova do Espcex (Escola Preparatória de Cadetes do Exército), na prova da Epcar (Escola Preparatória de Cadetes da Aeronáutica) e, finalmente, chegou a prova do Colégio Naval.

Na época, eram quatro provas: Matemática, Português, História/Geografia e Física/Química. Eram 25 questões cada uma e, para ser aprovado, era necessário acertar pelo menos 13 questões em cada uma.

Na época, só estudei o que eu gostava e menosprezei as duplas História/Geografia e Física/Química. Tirei ótima nota em Matemáticae Português, fui razoável em História e Geografia mas, em Física e Química, tirei 12. Reprovei por apenas um ponto!

A partir desse momento, é claro que precisei lidar com a frustração, mas nunca mais dei a mesma bobeira.

Dessa forma, o maior aprendizado dessa experiência foi: se você se deparar com disciplinas que tenham um mínimo de pontuação, estude-as com seriedade.

De nada vai adiantar você “arrebentar” em outras disciplinas se deixar uma para trás e não atingir o mínimo exigido dela.

Segunda lição: evite a autossabotagem

Após a reprovação no Colégio Naval, ingressei na Espcex, cursei o primeiro e o segundo ano de Ensino Médio e, no terceiro ano, fui fazer um cursinho pré-vestibular.

Como sempre fui apaixonado por Exatas, decidi cursar Informática, na época um curso mais difícil que Medicina.

O curso na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) era o mais concorrido no estado. Logo, eu preferi focar para passar na Universidade Federal Fluminense (UFF) e na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Fui aprovado em ambos e, descrente do vestibular da UFRJ, deixei o concurso em segundo plano, indo a uma festa no dia anterior.

Fiz a prova da UFRJ sem dormir, após uma noite de curtição em uma festa e, novamente, não fui aprovado por apenas um ponto.

Felipe Lima alerta sobre o erro que cometi, que é ser aliado do pessimismo: “Às vezes você não esgota o edital ou não valoriza sua preparação, logo, para não se frustrar, você já faz uma determinada prova com pessimismo e acaba se auto sabotando.”

Dessa forma, acredite sempre em você. Mesmo que sinta que não está 100% preparado, faça suas provas com seriedade.

Em suma, é melhor obter uma reprovação por não estar 100% preparado, mas ficar de experiência, do que “perder” por pouco, simplesmente por não acreditar em você.

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui, e também continue lendo :).

Terceira lição: o sucesso do passado não garante o sucesso do futuro

Eu cursei um semestre de Informática na UFF, no ano seguinte prestei novamente o vestibular para UFRJ, fui aprovado e lá cursei a graduação, oficialmente.

Na metade da graduação, tomei a decisão de começar a estudar para concursos públicos. Nessa época, alcancei minhas primeiras aprovações no serviço público: Auditor Fiscal da Prefeitura de Belo Horizonte – MG e depois para Auditor Fiscal do Estado de Minas Gerais e, em uma terceira oportunidade, para Técnico de Finanças e Controle, um cargo de nível médio do Ministério da Fazenda.

Finalmente, em 1994, fui prestar o concurso público dos meus sonhos: Auditor Fiscal do Tesouro Nacional, hoje Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil.

Após ser aprovado em tantos concursos anteriores, fui fazer o concurso da Receita com uma confiança muito elevada. Afinal, eram muitas vagas e eu já tinha experiência com outras aprovações.

Claro que eu estudei com muita seriedade, mas cheguei à prova com a confiança muito elevada, subestimando a concorrência. Nessa altura, vocês já devem imaginar o que aconteceu: fui reprovado por apenas um ponto, de novo.

O resultado, é claro, me gerou extrema tristeza e frustração. Dessa forma, aprendi a lição: o sucesso do passado não garante o sucesso do futuro.

Ou seja, não podemos subestimar a concorrência: se você não fizer a sua parte, facilmente será superado por outros candidatos.

A frustração foi tão grande que eu não prestei o mesmo concurso somente seis meses depois. Só fui tentar novamente 10 anos depois.

Quarta lição: o concurseiro precisa cuidar da saúde

Esse mesmo concurso, para a Receita Federal, me proporcionou a quarta lição com as reprovações.

Faltando cerca de duas semanas para a prova, em uma noite, fui à praia, tomar uma cerveja e relaxar.

Tomei uma baita friagem na ocasião e peguei a pior gripe da minha vida, precisando tomar até três antibióticos diferentes, que me atrapalhou bastante naquela reta final.

Dessa forma, o concurseiro, principalmente após a publicação do edital, deve ser paranoico: preserve-se, cuide da sua saúde. Você não vai querer que uma gripe coloque a perder tantos meses ou até mesmo anos de estudo.

“As pessoas costumam falar que vão cuidar da saúde, fazer exercícios físicos e cuidar da alimentação depois que passar no concurso. Mas esses cuidados são fundamentais durante a preparação”, explica o coach Felipe Lima.

Após aprender as lições, fui aprovado nos concursos da Receita Federal e do estado de SP

De 1995 a 2006, exerci o cargo de Auditor Fiscal da Prefeitura de Belo Horizonte. Porém, na época, o cargo não contava com um bom salário e eu vivia com contas em aberto.

No entanto, no conformismo, eu sempre via nas bancas a Folha Dirigida, falando sobre concursos da Área Fiscal.

Assim sendo, eu sempre vivia no arrependimento: “poderia estar estudando”. Em 2005, tomei a decisão, portanto, de voltar a estudar e tentar o concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal.

Porém, dessa vez, aprendi com todas as minhas reprovações em concursos: não menosprezei nenhum conteúdo, não pratiquei autossabotagem, não contei vantagem e cuidei da saúde.

Com tamanha inteligência emocional e preparação, fui aprovado no concurso com apenas cinco meses de estudo. Além disso, prestei logo após o concurso para Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo. O segundo, foi o cargo que escolhi e exerço até hoje.

De fato, eu demorei muito para me reerguer. De 1995 a 2005, continuei estudando, mas não para concursos. Fiz outra graduação, especialização e mestrado, mas só depois resolvi encarar novos concursos.

No entanto, diante das reprovações em concursos, é importante tirar forças para continuar e ser igual ao Juggernaut, personagem da Marvel: quebrar todas as paredes que tiver em seu caminho. Dessa forma, abaixe a cabeça, estude e depois bote para quebrar!

Reprovações em concursos públicos não precisam ser sofridas!

“O que dói não é a reprovação, é a culpa”, aponta Felipe Lima. Portanto, não se culpe. Continue lutando.

Por fim, saiba que, todo mundo, pelo menos uma vez na vida, precisa encarar uma negativa para os seus sonhos.

É claro que as reprovações em concursos públicos sempre vão doer. No entanto, é importante aprender a levantar o quanto antes. Em suma, chore as mágoas por um, dois ou três dias, mas persista. Não demore 10 anos como eu!

Para finalizar, deixamos aqui uma última dica importante: saiba que você não precisa, e não deveria, tentar fazer tudo sozinho, facilite a sua vida usando uma tecnologia como a do aplicativo Estudaqui.

Em poucos segundos o app monta seu ciclo de estudo perfeito personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. E isso não é tudo! O Estudaqui ainda permite, automaticamente:

  • controlar o tempo de estudo de maneira simples e fácil;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado.
  • Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui: estudo de alto desempenho, simples e acessível a todos!

Fique à vontade para compartilhar o artigo nas redes sociais.

Um abraço, Alexandre Meirelles e Felipe Lima.

Ver todos os artigos de Alexandre Meirelles.