Não passei no concurso, e agora - O que fazer após a reprovação

Não passei no concurso, e agora? O que fazer após a reprovação?

Por mais preparo e dedicação que você tenha com seus estudos, a reprovação é um dos obstáculos que você provavelmente terá que enfrentar, sobretudo no início. Mas é claro que lidar com a “derrota” não é fácil e é normal se perguntar: “não passei no concurso, e agora?”.

Primeiramente, bem-vindo ao imenso clube dos concurseiros que não foram aprovados algumas vezes.

Este é um clube composto por gênios, professores famosos nos concursos, dezenas de primeiros lugares, juízes, fiscais e mais.

Assim sendo, é necessário que você entenda que não passar em um concurso público não é o fim do mundo.

Mas, pode ser – caso você não souber aproveitar a ocasião para analisar seus erros, corrigi-los e persistir até alcançar seu objetivo.

Então, meu amigo, este artigo é para você que está aí surtando e repetindo sem parar a frase “não passei no concurso, e agora?”.

Confira as minhas dicas sobre o que fazer após a reprovação no certame desejado.

Faço apenas uma breve pausa no artigo para deixar claro que eu, Alexandre Meirelles, não tenho qualquer relação com a Estudaqui e que não ganho nada ao escrever esses artigos e nem ao indicar o aplicativo Estudaqui. Indico o aplicativo e apoio o site porque gosto e porque eles são realmente os melhores do mercado no que fazem, são de longe a melhor opção!

Não passei no concurso dos meus sonhos! 

Você provavelmente ficará desesperado diante da reprovação, dizendo que viu o seu sonho ir por água abaixo por não ver seu nome no Diário Oficial.

Mas, antes de tudo, avalie: o concurso em questão era realmente o seu sonho de vida? Há cinco anos você já sonhava com essa carreira para o resto dos seus dias?

Provavelmente não, então antes de chorar as pitangas, avalie se, de fato, o concurso prestado era o seu sonho.

Falo isso porque é normal muitos se desesperarem em caso de concursos renomados, sem previsão de ocorrer nos próximos anos, por exemplo.

E, com meu mestrado em Estatística (rs) posso apostar que apenas 2% dos reprovados, de fato viram seu sonho ser adiado com a reprovação.

Para os outros 98%, portanto, não é o fim do mundo e sim uma oportunidade de recalcular a rota e ser aprovado em uma próxima oportunidade.

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui, e também continue lendo :).

Cuidado com a doença da desculpite

Infelizmente, diante da reprovação, o mais provável é que por alguns meses você adote a postura de vítima.

Isso quer dizer que você poderá colocar a culpa na banca do seu concurso, na preocupação com os filhos, na sobrecarga de trabalho, em doenças e mais.

Para você ter uma ideia, eu mesmo sofri com essa “doença dos fracassos” por 10 anos, quando fui reprovado no concurso para Auditor Fiscal da Receita Federal.

Eu comecei a estudar para concursos fiscais com 21 anos, em 1991, e mantive meus estudos até março de 1994.

Nesse meio tempo, prestei alguns concursos, como o para Fiscal da Prefeitura de Belo Horizonte, mas continuei visando o meu sonho da Receita Federal.

Finalmente, em março de 1994, prestei o concurso para Auditor Fiscal da Receita Federal e fui reprovado por uma questão.

Chorei, sofri muito e, 14 meses depois, fui nomeado para Fiscal da Prefeitura de BH, cargo que assumi e fiquei por 11 anos.

Durante esses 11 anos, eu continuava nutrindo o sonho da Receita, mas arranjava diversas desculpas para não estudar e continuar batalhando pelo meu sonho.

Mas, em 2005, voltei a estudar para o concurso de Auditor Fiscal da Receita Federal, retornando ao meu sonho antigo.

O resultado? A aprovação no cargo de Auditor da Receita no próximo certame. Fiquei em centésimo lugar, passei com certa folga, mas não me contentei.

Continuei estudando e, depois, fui aprovado para o cargo de Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, função pela qual optei e continuo até hoje.

Sonhos podem mudar e as desculpas também

Assim sendo, qual é o aprendizado da minha história? Se o concurso perdido é o seu sonho, persista. Não desista, como eu fiz lá atrás.

Portanto, se você tem simpatia por uma determinada área, também amplie seus horizontes e preste concursos semelhantes.

No entanto, para obter sucesso no seu concurso dos sonhos ou em algum semelhante, você deve colocar um fim nas desculpas.

Afinal, quando reprovado, você pode começar a arranjar “desculpites” para largar de vez os estudos para concursos, como:

  • vou esperar o orçamento sair para ver se tem previsão do concurso que eu quero;
  • estão falando que a estabilidade vai acabar;
  • a aposentadoria vai piorar;
  • irão diminuir a remuneração inicial.

Mas nada disso tem base o suficiente para deixar de lado a sua rotina de estudos

Todas essas “informações” e decisões são, na verdade, sintomas da “doença da desculpite”.

Esse termo foi retirado do livro “A mágica de pensar grande”, do autor David Schwartz, lançado em 1959.

Ele explica que a maioria dos problemas e percalços que encontramos no caminho até o nosso objetivo se trata apenas de desculpas.

A vítima da “desculpite” sempre está em busca de uma boa “razão” para justificar a sua procrastinação.

Mas, como qualquer outra doença, a desculpite vai piorando se não for tratada.

Portanto, lembre-se da concorrência e coloque em primeiro lugar os seus objetivos.

Não se esqueça de que há muitos candidatos estudando incessantemente – se você não reagir, irá perder a sua vaga tão sonhada.

Eu falei mais sobre como acabar com as principais desculpas para não estudar em um artigo aqui do blog. Confira aqui!

Não dê ouvidos ao outros

Quando você deixa de trabalhar para estudar para concursos, a pressão familiar já se torna inevitável.

Isso porque, por mais que você tenha uma reserva financeira, há a expectativa pelo seu sucesso e pelos ganhos financeiros.

Entretanto, quando há a reprovação, a pressão se torna pior. Muitos vão falar para você desistir, que concurso é só para gênios, que é fraudado, que você deve começar a entregar currículos etc.

No entanto, não dê ouvidos a essas críticas caso o seu sonho seja ser funcionário público. Persista no seu objetivo!

É hora de bater de novo

Após algumas semanas ou dias de descanso, é hora de avaliar os fatores que te levaram à reprovação e retomar os estudos sem esses problemas.

Como bem disse Rocky Balboa: “O mais importante não é a força da pancada que você pode dar, e sim a força da pancada que você pode suportar para levantar e bater de novo.”

Assim sendo, levante-se do chão e analise friamente os erros que cometeu durante sua preparação:

  • você utilizou os materiais corretos?
  • fez adequadamente as revisões?
  • fez exercícios o suficiente?
  • escolheu um bom cursinho?
  • soube resolver a prova (e conhecia o estilo da banca)?
  • estava estudando há muito ou há pouco tempo?

Com essas respostas, você terá certeza de que a culpa por você não ter passado não é só da banca.

Afinal, se a prova foi a mesma para todos os candidatos, como vários passaram e você não?

Então, em alguma hora na sua preparação ou durante a prova você errou.

Reavalie seus erros

Após a reprovação, pegue a prova, analise quais conteúdos você errou. Assim sendo, busque aperfeiçoar seu estudo nesses temas.

Além disso, verifique se as questões que você errou estavam no seu material – se não, é hora de buscar um mais atualizado e completo.

Se estavam no seu material, verifique por que você errou – faltou revisão? Era decoreba?

Em suma, você deve atacar suas falhas e estudá-las ativamente para que elas não voltem a ocorrer na próxima prova.

Disciplinas de concursos são passíveis de serem aprendidas

Outra coisa que você deve colocar na sua cabeça é que qualquer conteúdo de concurso pode ser aprendido com bastante treino.

Você não terá que virar mestre em Física Quântica. Mas apenas dominar disciplinas “normais” que constam em um edital.

Assim sendo, se você tem dificuldade em Português, por exemplo, dedique-se, faça mais questões, assista a aulas que, aos poucos, você vai desenvolvendo suas habilidades.

A resposta para a aprovação é o treino e o empenho durante sua preparação, sempre!

Não persista no erro!

Entenda que não adiantará fazer exatamente tudo do jeito que fez antes. Você terá que alterar alguma coisa em sua rotina de estudo.

Einstein disse: “Loucura é fazer a mesma coisa repetidas vezes e esperar resultados diferentes”.

Pois bem, você é louco? Mesmo que seja, não sabe disso, logo, veja quais aspectos pode aprofundar o seu conhecimento e sua capacidade de fazer uma prova melhor.

Peça ajuda para descobrir o caminho das pedras da aprovação

Diante de uma reprovação, avalie também se lhe falta orientação para que seu estudo seja otimizado e direcionado para o seu objetivo.

“Não passei no concurso, e agora?” Agora, além de consertar seus erros, pode ser a hora certa para buscar ajuda.

Nos dias de hoje não é mais necessário perder suas preciosas horas de estudo tentando aprender como fazer tudo sozinho, os tempos mudaram, e agora a tecnologia deve ser, sem dúvida alguma, a sua maior aliada. Por isso já faz algum tempo que eu vinha indicando o aplicativo Estudaqui para todos os meus alunos de mentoria.

Em poucos segundos o app monta seu ciclo de estudo perfeito personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. E isso não é tudo! O Estudaqui ainda permite, automaticamente:

  • controlar o tempo de estudo de maneira simples e fácil;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado.
  • Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui: estudo de alto desempenho, simples e acessível a todos!

Fique à vontade para compartilhar o artigo nas redes sociais.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Ver todos os artigos de Alexandre Meirelles.