Mapas mentais para concursos - é relevante estudar por meio deles

Mapas mentais para concursos: é relevante estudar por meio deles?

No último artigo aqui do blog, expliquei um pouco sobre a funcionalidade dos resumos. Atrelado a este tema, muitas pessoas me perguntam também sobre os mapas mentais para concursos.

Este é um dos assuntos sobre o qual falei no meu livro “Como estudar para concursos”. Por isso, muitos concursandos me veem como autoridade nesta questão e, para mim, é um prazer poder ajudar.

Os mapas mentais foram criados por um famoso inglês chamado Tony Buzan, que já publicou inúmeros livros sobre o assunto.

Tamanho foi o sucesso dos mapas mentais que, hoje, é muito difícil encontramos um livro sobre didática ou técnicas de estudo que não indiquem o seu uso.

Assim sendo, preparei este artigo com dicas para você que deseja potencializar seus estudos com os mapas mentais para concursos. Confira!

Por que utilizar mapas mentais para concursos?

Buzan, criador do método de mapas mentais, aponta que nossa cultura não utiliza efetivamente certas regiões do cérebro especializadas em pensamento espacial, imagens e criatividade.

Em geral, damos muito mais valor à escrita e à leitura. Ou seja, só aproveitamos as partes responsáveis pela lógica, fala e pensamento linear.

Como ele considerou isso um grave desperdício de nossas capacidades de memorização, criou os mapas mentais, aproveitando os recursos cerebrais pouco utilizados.

Dessa forma, utilizar mapas mentais para concursos em momentos do seu estudo pode ser, sim, benéfico para otimizar a fixação do conteúdo.

Devo utilizar os mapas mentais para concursos sempre?

Sou a favor de utilizar mapas mentais durante o estudo. No entanto, você não deve fazê-los para tudo o que estuda.

Há momentos em que outros métodos são mais eficazes, como:

  • um diagrama;
  • uma tabela; 
  • um fluxograma;
  • ler as marcações em amarelo no livro;
  • fazer mais exercícios.

Lembrando que os mapas mentais para concursos são um tipo de resumo e, assim, não devem ser utilizados massivamente quando se trata de certames com muitas disciplinas.

Dessa forma, se você tem 10 ou mais disciplinas para estudar, deixe os mapas mentais em segundo plano.

Assim sendo, para que a sua revisão seja facilitada depois de estudar, vá fazendo marcações no seu material.

Com toda certeza isso irá ajudá-lo a identificar os assuntos principais para revisar depois, a fim de que nenhum conteúdo extremamente importante se perca no material.

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui. E claro, continue lendo :).

Mas como fazer mapas mentais para concursos?

Entretanto, quando você perceber que as anotações e marcações não estão sendo suficientes para o seu aprendizado, recorra aos mapas mentais para concursos.

Assim sendo, vou ensinar algumas regras básicas para elaborar mapas mentais para concursos. Confira!

1. Sentido horizontal

Primeiramente, utilize o papel no sentido horizontal na grande maioria dos casos, pois nosso campo visual é maior na horizontal.

2. Comece pelo centro

Comece pelo centro, escrevendo o título do assunto a ser resumido e circule-o. A maioria das pessoas prefere envolvê-lo com uma elipse ou retângulo.

3. Conceitos gerais

No centro devem ficar os conceitos mais gerais, que se tornarão mais específicos quanto mais externos forem.

4. Ramos

A partir do centro, insira quantos ramos forem necessários, para resumir o assunto, podendo subdividi-los em outros ramos.

5. Sentido horário

De preferência, escreva os ramos no sentido horário, imaginando o início na posição onde os ponteiros marcam meio-dia, ou seja, comece acima do título e siga no sentido horário.

Afinal, se você fizer sempre seus resumos seguindo essa ordem, não precisará numerar os itens, deixando seu desenho mais limpo.

Mas caso ache importante, pode numerá-los. Em tempo: as palavras deverão ser sempre escritas na horizontal, os ramos é que seguirão o sentido horário.

6. Ramos curvos

Desenhe ramos curvos, não use linhas retas. Ramos curvos estimulam mais o cérebro. 

E desenhe-os do mesmo tamanho das palavras que estão contidas nele, não os faça mais longos à toa.

Escreva as palavras logo acima das linhas, como se fosse um texto sublinhado, afinal, não é por acaso que desde pequenos sublinhamos os trechos mais importantes do livro.

7. Varie as cores

Varie as cores utilizadas nos mapas mentais para concursos, reservando o vermelho para mensagens negativas.

Além disso, use abreviaturas, deixe o máximo de espaços em branco e, se estiver escrevendo muitas informações, divida-o em mais de um mapa mental.

8. Utilize desenhos

Por pior que seja a sua capacidade de desenhar, se rapidamente vier algum desenho à sua mente no momento de elaborar seu mapa mental, insira-o.

Afinal, a utilização de imagens facilita muito a memorização.

9. Letras grandes

Utilize letras grandes, desproporcionais. O ideal é que as letras tenham, no mínimo, o dobro do tamanho que você está acostumado a escrever.

10. Folha inteira ou meia folha?

Cuidado com o uso da folha inteira, porque você tenderá a colocar muitas informações numa página só.

Assim, cuidado, nunca se esqueça da dica de não poluir muito os seus mapas mentais para concursos.

11. Escreva à mão

Faça-os à mão, não use programas de computador. Afinal, praticamente todos os estudos realizados até hoje mostraram que nosso cérebro lembra melhor algo escrito com nossa letra do que no computador.

12. Escreva o mínimo possível

Escreva o mínimo possível possível, de preferência utilize só as palavras-chaves, mas de forma que não tenha dificuldade em entender o sentido das frases quando tiver que lê-las no futuro.

Alguns especialistas indicam que se escreva somente uma palavra em cada ramo, mas considero isso muito difícil em muitos casos.

Por isso, dê preferência para as palavras-chave!

13. Letra de forma

Se a sua letra não for muito legível nem mesmo para você, escreva tudo em letra de forma.

14. Conte os ramos

Antes de começar a desenhar o mapa mental, conte quantos ramos ele terá, a fim de distribuí-los melhor no papel.

15. Leia o título antes

Quando for ler cada um dos ramos, antes leia o título do mapa mental (o tema que está no centro), para sempre fazer a associação entre cada ramo e o tema.

Talvez você não ache necessário ler o tema entre as leituras dos ramos. No entanto, não o pule sempre, leia-o entre algumas das leituras dos ramos.

Busque ajuda para fazer mapas mentais para concursos

Por fim, se mesmo com as dicas anteriores você tem dificuldades para fazer mapas mentais para concursos, procure ajuda!

É verdade que as dificuldades do caminho da aprovação são enormes. Mas elas podem ser muito facilitadas quando você tem as ferramentas corretas ao seu alcance.

Saiba que você não precisa, e nem deveria, tentar fazer tudo sozinho, facilite a sua vida usando uma tecnologia como a do aplicativo Estudaqui.

Em poucos segundos o app monta seu ciclo de estudo perfeito personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. E isso não é tudo! O Estudaqui ainda permite, automaticamente:

  • controlar o tempo de estudo de maneira simples e fácil;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado.
  • Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui: estudo de alto desempenho, simples e acessível a todos!

Fique à vontade para compartilhar o artigo nas redes sociais.

Um abraço, Thiago Magalhães.

Ver todos os artigos de Thiago Magalhães