Existe uma formação ideal para prestar concursos fiscais

Existe uma formação ideal para prestar concursos fiscais?

A aprovação em concursos da área fiscal é o desejo de muitos brasileiros. Além de concorridos, os maiores certames não ocorrem desde 2014, o que só aumenta a ansiedade dos concurseiros. Pensando em estar preparado para a oportunidade, é comum que o concursando tenha dúvida se há formação ideal para prestar concursos fiscais e se é válido tentar uma nova graduação.

Dessa forma, muitos concursandos me questionam se existe um curso superior que oferece mais base para concursos fiscais.

Contabilidade e Direito são as alternativas cotadas por aqueles que desejam passar em concurso e ingressar em cargos públicos da área fiscal.

No entanto, reforço que, independente do curso superior que você tenha, alcançar a aprovação é questão de disciplina e dedicação ao seu tempo de estudo.

Neste artigo, vou desmistificar a ideia de que há uma formação ideal para prestar concursos fiscais. Continue a leitura!

Faço aqui uma breve pausa no artigo para deixar claro que eu, Alexandre Meirelles, não tenho qualquer relação com a Estudaqui e que não ganho nada ao escrever esses artigos e nem ao indicar o aplicativo Estudaqui. Indico o aplicativo e apoio o site porque gosto e porque eles são realmente os melhores do mercado no que fazem, são de longe a melhor opção!

Não tenho curso superior e quero prestar concursos fiscais: e agora?

Se você ainda não possui uma graduação e com certeza deseja prestar concursos fiscais e não trabalhar na iniciativa privada, o meu conselho é não se matricular em um curso extenso, mas recorrer a modalidades mais fáceis e rápidas.

Você não precisa cursar cinco anos de Contabilidade ou Direito para estar apto para prestar concursos fiscais.

Entretanto, se você ainda tem dúvidas sobre a área para a qual deseja se preparar, é preciso que você entenda cada uma, o perfil dos profissionais e quais os concursos que podem aparecer ao longo da sua caminhada.

Escolher uma área apenas porque a remuneração é boa, mas a vaga não tem nada a ver com o seu perfil, pode ser um tiro no pé a longo prazo.

No curso Pilares da Aprovação oferecemos um módulo exclusivo para apresentar cada uma das áreas disponíveis, além da Fiscal, você aprenderá mais sobre os concursos de Tribunais, Policiais, Bancários, Controle e Gestão e mais.

O curso também oferece módulos com estratégias para melhor gestão de tempo, organização de ambiente e outros assuntos que podem facilitar seu caminho rumo à nomeação.

Mas, voltando a falar sobre a formação ideal para prestar concursos fiscais, a maioria dos certames da área aceitam diploma em qualquer curso de formação, inclusive em tecnólogo, modalidade com cerca de dois anos de duração.

Portanto, se você não tem curso superior e procura uma formação ideal para prestar concursos fiscais, escolha a modalidade tecnólogo.

Os cursos tecnólogos são mais baratos se comparados a outros cursos superiores e contam muitas especialidades disponíveis para ensino à distância.

O curso escolhido, é claro, deve ser reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Dessa forma, rapidamente você estará formado e estudando para os certames desejados.

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui, e também continue lendo :).

Algumas formações oferecem base, mas nunca são limitantes para a aprovação

Outro questionamento recorrente entre concursandos da área fiscal é se formações como Direito e Contabilidade representam uma vantagem diante da concorrência.

É claro que um contador por formação terá um pouco mais de facilidade para lidar com algumas disciplinas da área fiscal, como a própria Contabilidade, do que um graduado em Botânica, por exemplo.

Afinal, este concurseiro já terá tido contato anterior com a disciplina e, por isso, poderá absorver o conteúdo rapidamente.

Diante desse fato, surge um novo questionamento: por que então vou gastar meu tempo com o curso tecnólogo? Não é melhor cursar Direito ou Ciências Contábeis?

Não, meu amigo. É muito mais vantajoso você ter qualquer formação e manter uma rotina disciplinada de estudos do que dispensar cinco anos em uma graduação.

As vantagens de um concursado formado em Contabilidade são pequenas! É uma diferença que rapidamente deixa de existir se você estudar muito, a partir de bons materiais, tempo de estudo e as ferramentas certas. O curso Jornada da Aprovação é gratuito e apresenta tópicos fundamentais, como estes que citei aqui. Além de desmistificar a ideia de que só gênios são aprovados em concursos, também listamos:

  • pontos chave para a passar no concurso;
  • ferramentas que ajudam a otimizar seu tempo e mais.

Você vai ter custo zero e mais algumas pedras tiradas do caminho.

Muitos concursandos que já possuem formação em um curso superior também acreditam ser interessante cursar Contabilidade ou Direito, por exemplo, enquanto estudam para o certame.

Essa escolha é uma verdadeira sabotagem. Se você já tem um curso superior, não dedique seu tempo de estudos com outra graduação. Estude, exclusivamente, para o certame desejado.

Não é necessário fazer outrocurso superior, curso de línguas e muito menos pós-graduação para ser aprovado no concurso desejado!

Explico mais sobre este assunto neste vídeo. Assista!

Não existe formação ideal para prestar concursos fiscais, mas sim a dedicação correta

Contabilidade, Direito e Engenharias saem um pouco na frente em termos de base, mas você é capaz de superar essa vantagem com muito estudo e dedicação.

No entanto, o elevado índice de aprovações de candidatos formados nessas áreas deve-se ao costume de estudar com disciplina e não necessariamente pela formação.

Para você ter uma ideia, quando fui aprovado para o cargo de Auditor-Fiscal da Receita Federal em 2005, o quinto curso que mais aprovou no certame foi Odontologia.

Mas, o que levou um curso tão distinto da área fiscal registrar tantas aprovações? O nível de estudo dos candidatos.

Odontologia, por exemplo, é uma graduação que exige uma intensa jornada de estudos, logo, os formados nessa área têm costume de criar uma rotina de estudos  com disciplina.

Dessa situação, entende-se que a graduação não influencia tanto na aprovação, mas sim seu compromisso e facilidade de se organizar para estudar para concurso.

Portanto, não ingresse em uma nova graduação que você acredita que tenha ligação com a área fiscal.

Concursos para Auditor-Fiscal da Receita Federal, por exemplo, não acontecem desde 2014. Logo, se você perde tempo buscando se formar em uma nova graduação, você corre o risco de perder o edital dos sonhos e ter que esperar por anos para que o certame ocorra novamente!

Não existe formação ideal para prestar concursos fiscais, mas sim concursandos com curso superior que estudam muito e o quanto antes.

Se você quer ganhar alguma vantagem nesse desafio que é se preparar para concursos, uma opção é contar com ajuda da tecnologia.

Saiba que você não precisa tentar fazer tudo sozinho, facilite a sua vida usando o aplicativo Estudaqui.

Em poucos segundos o app monta seu ciclo de estudo perfeito personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. E isso não é tudo! O Estudaqui ainda permite, automaticamente:

  • controlar o tempo de estudo de maneira simples e fácil;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado.
  • Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui: estudo de alto desempenho, simples e acessível a todos!

Fique à vontade para compartilhar o artigo nas redes sociais.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Ver todos os artigos de Alexandre Meirelles.