Faculdade de 2 anos serve para concurso público - Conheça o tecnólogo

Faculdade de 2 anos serve para concurso público? Conheça o tecnólogo!

Não é segredo para ninguém que os cargos mais bem remunerados e mais concorridos do serviço público exigem nível superior. No entanto, dedicar-se a fazer um curso de quatro ou cinco anos pode não ser prático e financeiramente viável para muitas pessoas. Nesses cenários, muitos encontram a oportunidade do tecnólogo e se perguntam se essa faculdade de 2 anos serve para concurso público.

O curso tecnólogo é um tipo de graduação voltada para quem deseja ingressar rapidamente no mercado de trabalho.

Para ingressar em um tecnólogo, o estudante precisa ter certificado de conclusão de Ensino Médio. O curso exige estágio obrigatório ou apresentação de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

E a boa notícia é que diversos cargos públicos que exigem nível superior já reconhecem o tecnólogo.

Assim sendo, cabe a você analisar as exigências do concurso dos seus sonhos e avaliar os prós e contras do tecnólogo para a sua vida profissional. Confira alguns conselhos sobre esse assunto!

Faço apenas uma breve pausa no artigo para deixar claro que eu, Alexandre Meirelles, não tenho qualquer relação com a Estudaqui e que não ganho nada ao escrever esses artigos e nem ao indicar o aplicativo Estudaqui. Indico o aplicativo e apoio o site porque gosto e porque eles são realmente os melhores do mercado no que fazem, são de longe a melhor opção!

Tecnólogo realmente vale a pena?

Em primeiro lugar, entenda que o tecnólogo é o curso oferecido em algumas universidades brasileiras e apresenta características muito interessantes, como:

  • menor tempo de duração;
  • maior especialização;
  • variedade em áreas de atuação.

E o curso de tecnólogo confere às pessoas a possibilidade de fazer concursos que exigem nível superior de graduação.

Há, ainda, expresso no portal do MEC, a regulamentação de que o tecnólogo possibilita a realização de concursos que exigem nível superior:

“O contratante tem autonomia para decidir a qualificação do servidor que busca. Contudo, caso a exigência seja de nível superior e/ou graduação, o formado em cursos tecnólogos está apto a prestar o concurso. Ressalte-se a exceção em caso de solicitação específica da formação em licenciatura e/ou bacharelado. Portanto, o fator determinante é o teor do edital de cada concurso no qual estarão discriminados os títulos exigidos.”.

Assim sendo, é cada edital de cada concurso que irá validar o tecnólogo para o cargo. Logo, se o edital vier exigindo “nível superior” ou “graduação de nível superior”, a faculdade de 2 anos serve para concurso público.

Se você está decidido a tentar concursos, é uma opção que vale a pena

Primeiramente, antes de decidir começar um tecnólogo, avalie o contexto em que você se encontra e o quanto você está determinado a tentar concursos públicos.

Se você ainda não tem uma graduação ou mal começou uma e seu maior sonho é seguir na carreira pública, talvez o tecnólogo seja o caminho mais rápido e prático.

Sendo assim, se você está decidido a fazer concurso para uma área que aceita esse tipo de formação, a faculdade de 2 anos será uma “mão na roda”.

Ou seja, a faculdade de 2 anos serve para concurso público tanto no sentido legal quanto como um caminho mais curto e prático para te qualificar para alcançar seus sonhos.

Mas e se eu desistir da vida de concurseiro?

Em contrapartida, se você não está muito seguro de que deseja prestar concursos, tome cuidado antes de fazer um tecnólogo.

Assim sendo, se você vier a desistir dos concursos, você terá em mãos um título de tecnólogo, não de bacharel ou licenciado, o que pode restringir alguns caminhos que uma graduação tradicional já possibilita.

Mas, se seu sonho é ser Fiscal, Policial, entre outros, independente da sua formação, o tecnólogo é uma escolha inteligente.

Dessa forma, avalie se ingressar em um cargo público é uma certeza para a sua vida.

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui, e também continue lendo :).

Faculdade de 2 anos serve para concurso público se for regulamentada

Antes de iniciar um tecnólogo, verifique se o curso tem diploma reconhecido pelo MEC. Só assim você irá garantir que a sua faculdade de 2 anos serve para concurso público.

Isso é uma recomendação ainda maior para quem pretende fazer um curso à distância.

Assim sendo, entre no site ead.com.br e verifique as graduações à distância disponíveis e quais já são reconhecidas pelo MEC. Muitas vezes o curso está apenas autorizado, o que não quer dizer que ele irá servir para concursos públicos.

Ou seja, de preferência, faça um curso que já seja reconhecido pelo MEC. Dessa maneira, você não sai prejudicado nem nos concursos públicos, nem na iniciativa privada, caso precisar.

Para que serve o diploma de nível superior para fins de concurso público?

Praticamente todos os concursos da área Fiscal (Auditor da Receita Federal, Analista da Receita Federal e Auditor-Fiscal do Trabalho, por exemplo) aceitam formação em tecnólogo.

O mesmo acontece para a maioria dos cargos de fiscal de ICMS nas unidades de federação brasileiras, com exceção de seis estados:

  • Roraima;
  • Rondônia;
  • Bahia;
  • Rio de Janeiro;
  • Tocantins;
  • Rio Grande do Sul.

Para concursos de fiscais de ISS (municipais), há várias cidades que aceitam o tecnólogo como nível superior, mas isso varia muito, pois são muitas cidades.

Se você deseja tentar um cargo de fiscal de ISS, procure antes o último edital do concurso e veja se a lei que rege o cargo aceita a formação em tecnólogo.

Um próximo concurso pode restringir as formações de nível superior?

Uma insegurança muito grande de quem tem ou pensa em fazer um curso tecnólogo é se os próximos editais dos concursos almejados podem excluir a faculdade de 2 anos (ou até mesmo restringir a alguns cursos de graduação específicos).

Meu amigo, não se preocupe com isso! Falo isso com toda a certeza do mundo porque quem determina essas condições é a lei que rege o concurso/cargo.

Todo cargo possui uma lei que o rege. Logo, uma lei explicita qual é a formação necessária para se tornar fiscal, policial, analista e mais.

Dessa forma, o edital apenas obedece à lei que o rege, não podendo restringir as formações ou em cursos de graduação tradicionais.

Praticamente todos os concursos de nível superior mais renomados, como Receita Federal, Polícia Rodoviária Federal, entre outros, aceitam o tecnólogo.

É importante lembrar que os concursos específicos da área jurídica são limitados para graduação em Direito.

Eu, por exemplo, tenho inúmeros colegas fiscais que possuem formação em tecnólogo e estão seguindo carreira na área fiscal.

Mais do que ter uma graduação, é necessário se preparar e muito para o concurso desejado

Se você está decidido a fazer um tecnólogo ou já possui essa formação, o próximo passo é aprofundar seus estudos.

Além de ter bons materiais, estudar regularmente e definir uma rotina de estudos que envolve boas horas de dedicação, as aulas são importantes aliadas.

Além das aulas, cresce a procura por mentoria para concursos públicos. Em geral, são orientações oferecidas por especialistas para que você estude de forma otimizada, ganhe confiança e seja aprovado.

Eu mesmo fui mentor de concursos públicos por muitos anos com a Liga da Aprovação, na Método de Estudo.

Porém, nos dias de hoje não é mais necessário perder suas preciosas horas de estudo com cursos sem fim, os tempos mudaram, e agora a tecnologia deve ser sem dúvida alguma a sua maior aliada. Por isso já faz algum tempo que eu vinha indicando o aplicativo Estudaqui para todos os meus alunos de mentoria.

Em poucos segundos o app monta seu ciclo de estudo perfeito personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. E isso não é tudo! O Estudaqui ainda permite, automaticamente:

  • controlar o tempo de estudo de maneira simples e fácil;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado.
  • Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui: estudo de alto desempenho, simples e acessível a todos!

Fique à vontade para compartilhar o artigo nas redes sociais.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Ver todos os artigos de Alexandre Meirelles.