Como estudar conteúdos com poucas questões disponíveis

Como estudar conteúdos com poucas questões disponíveis?

Não é incomum começar a estudar um conteúdo, absorver o conhecimento e, na hora de partir para a prática, encontrar poucas ou nenhuma questão sobre o assunto para resolver. Aí começa o dilema: como estudar conteúdos com poucas questões?

Eu já expliquei, em outro artigo aqui do blog, o quão importante é estudar para os concursos resolvendo questões.

Isso porque, durante a resolução de exercícios, você exercita mais o cérebro, amplificando a sua capacidade de memorização.

Isso quer dizer que a prática ativa ainda mais o hemisfério esquerdo do cérebro, que é caracterizado por ter áreas responsáveis pelo raciocínio lógico, fala, matemática, linhas e mais – esse lado também é conhecido como o “cérebro acadêmico”.

Além disso, resolver questões te ajuda a adquirir a “malícia” de saber quais são as pegadinhas, pontos e vieses abordados de um determinado assunto, por diferentes bancas.

Diante de tantos benefícios dos exercícios, ter que estudar conteúdos com poucas questões disponíveis não parece fácil mesmo.

Contudo, essa situação não é o fim do mundo, colega. Há outras alternativas para assimilar a disciplina em questão e sair na frente da concorrência. Continue a leitura e entenda!

Faço apenas uma breve pausa no artigo para deixar claro que eu, Alexandre Meirelles, não tenho qualquer relação com a Estudaqui e que não ganho nada ao escrever esses artigos e nem ao indicar o aplicativo Estudaqui. Indico o aplicativo e apoio o site porque gosto e porque eles são realmente os melhores do mercado no que fazem, são de longe a melhor opção!

Em quais casos acontece de ter nenhuma ou poucas questões disponíveis?

Há várias situações em que você se depara com poucas questões disponíveis, por exemplo:

  • no estudo de uma lei nova;
  • uma lei que não é muito pedida em concursos;
  • uma lei muito específica de um estado/município;
  • um tópico pequeno ou novo de Tecnologia da Informação.

Além disso, pode ser que haja assuntos que quase nunca são cobrados, mas são citados no edital.

Em todos esses cenários, é normal bater a insegurança de estudar só a teoria e fazer resumos. Afinal, como saber, de fato, se você está dominando e irá acertar qualquer questão sobre o tema?

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui, e também continue lendo :).

Estudando apesar das poucas questões disponíveis

Diante dessa situação, há muitas pessoas que sugerem que você elabore as suas próprias questões e resolva-as.

Entretanto, eu acho que essa é uma ideia contraprodutiva. Afinal de contas, se você mesmo idealizou a questão, muito provavelmente se lembrará do gabarito.

Há, ainda, quem sugere que você se reúna com outros colegas concurseiros e cada um elabore questões para que o outro resolva. É uma alternativa mais bem pensada mas, ainda assim, não é a minha favorita, porque depende de encontrar outros colegas tão determinados quanto você. Mas caso os encontre, é uma boa ideia sim.

Eu recomendo que você estude de forma totalmente ativa os conteúdos com poucas questões disponíveis.

Como estudar de maneira ativa?

Primeiramente, você deve colocar em prática o feeling de concurseiro, adquirido com as experiências de outras provas e conhecimento da banca.

Por exemplo, se você está estudando uma lei nova, que quase não tem questões, avalie antes o que a sua banca costuma cobrar de leis em geral.

Na hora de estudar o conteúdo em questão, busque marcar, sublinhar e destacar os aspectos que você acredita que sejam mais “a cara da banca”.

É importante ressaltar que os conteúdos com poucas questões devem ser marcados com marca-texto, estar acompanhados de anotações, post-its etc. Você deve registrar todo e qualquer insight que você tiver sobre o assunto!

Resumos e mapas mentais são muito bem-vindos em qualquer conteúdo, sobretudo nos que são carentes de questões. Não os dispense!

O tempo que você não ocupará resolvendo questões deve ser convertido em um estudo inteligente e ativo.

Não fique com medo de conteúdos com poucas questões ou muito novos

É claro que, diante de conteúdos com poucas questões e que são, além disso, novos, bate aquela insegurança de ter seu desempenho afetado.

No entanto, meu amigo, não será um assunto novo ou menor que afetará o seu sonho da aprovação.

Isso porque, principalmente quando se trata de conteúdos novos, são poucos os candidatos que dominam completamente o assunto (como é o seu caso) e muito poucos irão gabaritá-lo se vier complicado.

Quando se trata de pequenos tópicos, como uma lei pequena, você deve estudar atentamente – mas não precisa “morrer de ansiedade” se não tiver questões disponíveis.

Em suma, seu maior foco deve ser conteúdos mais extensos e altamente cobrados. Nesses casos, você deve ter a obrigação de cumprir as exigências do edital e acertar o máximo de questões possível.

Lembre-se de que os conteúdos com poucas questões são assim para todo mundo. Se não existem questões para você, não existem para ninguém. Vocês estarão em pé de igualdade.

Nesse caso, saia na frente estudando o conteúdo com dedicação, resumindo, fazendo mapas mentais etc. Além disso, busque ser muito bom nas disciplinas mais cobradas e decisivas!

Em resumo, se você estudar esse conteúdo com poucas questões e conseguir acertá-las na prova, está ótimo. Toda pontuação a mais é sempre bem-vinda.

No entanto, lembre-se de que, acima de tudo, o que definirá sua aprovação é uma boa performance nos assuntos mais cobrados.

E para finalizar, deixo aqui uma última dica importante: saiba que você não precisa, e não deveria, tentar fazer tudo sozinho, facilite a sua vida usando uma tecnologia como a do aplicativo Estudaqui.

Em poucos segundos o app monta seu ciclo de estudo perfeito personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. E isso não é tudo! O Estudaqui ainda permite, automaticamente:

  • controlar o tempo de estudo de maneira simples e fácil;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado.
  • Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui: estudo de alto desempenho, simples e acessível a todos!

Fique à vontade para compartilhar o artigo nas redes sociais.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Ver todos os artigos de Alexandre Meirelles.