Blog
Pessoa escutando música para estudar

Música para estudar ajuda na concentração? Qual é a melhor?

Na preparação para uma prova difícil, qualquer detalhe pode fazer a diferença, inclusive a escolha de uma música para estudar. Afinal, é natural recorrer a métodos para melhorar a concentração e a absorção de conteúdo.

De acordo com um estudo do Spotify feito em 2013, “alunos que escutaram música clássica durante os estudos tiveram um desempenho em média 12% melhor em provas de matemática”.

Porém, não se trata apenas de música clássica, mas sim do gênero musical que você mais gosta. Pesquisadores da Universidade de Keele, no Reino Unido, afirmaram que ouvir uma música favorita diminui a percepção de esforço e aumenta a disposição.

Já que estudar ouvindo música parece ser benéfico para o desempenho nessa tarefa, pesquisei sobre isso enquanto escrevia o meu livro. Agora, gostaria de compartilhar com os leitores do nosso blog o que aprendi a respeito.

Continue lendo e descubra os benefícios da música para estudar.

Música para estudar: existe uma melhor?

Inúmeros estudos já foram publicados provando que ouvir música atrapalha ou melhora a concentração e a atenção, dependendo do tipo de música. Isso tem a ver com o estado que o seu cérebro se encontra no momento do estudo, principalmente os estados alfa e beta.

Precisamos relaxar um pouco antes de iniciar uma sessão de estudos. Do contrário, se você começar a estudar ainda muito agitado (estado beta), vai aproveitar muito pouco do conteúdo.

A boa notícia é que já foi provado cientificamente que a música barroca ajuda a conduzir seu cérebro para o estado de ondas alfa. Essas são as mais propícias para o estudo, porque aumentam seu poder de concentração e memorização.

Assim, se você estiver ouvindo uma música clássica ao fundo, preferencialmente a barroca, será bom para seus estudos. Dentre os principais compositores desse estilo, estão:

  • Bach;
  • Handel;
  • Vivaldi;
  • Corelli;
  • Couperin.

Não sabe qual música para concentração escolher? Ouça “As Quatro Estações”, de Vivaldi, que provavelmente você já conhece, ou “Música Aquática”, de Handel. 

Cada uma dura mais do que 40 minutos e você pode deixá-las em loop. Ouvir Mozart também é indicado, apesar de já ser do período clássico. Se for de outro estilo, como Axé, Pagode, Rock ou MPB, poderá prejudicar sua concentração.

Outro ponto importante: evite estudar ouvindo um idioma que você entenda. Se você fizer isso, sua concentração será prejudicada, pois o cérebro tende a acompanhar a letra. Não é o ideal se a intenção é manter o foco nos estudos.

Quando a música não é barroca, ela atrapalha que você entre em estado alfa. Se for Iron Maiden, minha segunda banda favorita, você estará em “beta turbo master”. 

Não é à toa que, quando passei no concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (AFRFB), logo coloquei Iron no talo e dirigi pela cidade berrando e cantando alto.

Coisa de doido, eu sei, mas quem disse que você não ficará assim quando for aprovado? Nada de entrar em alfa no dia que isso acontecer, entre em estado “beta turbo master blaster advanced”. E um Iron tocando “The Evil That Men Do” vai muito bem nessas horas.

Voltando ao assunto, o aprendizado é melhor quando nosso cérebro entra em alfa. Por isso, as melhores músicas para estudar são aquelas que levam a esse estado. 

O alfa também é chamado “estado de vigília relaxada”, em que o batimento cardíaco, a respiração e as ondas cerebrais estão sincronizados. Assim, a mente fica concentrada e pronta para o aprendizado. 

Enquanto estamos acordados e não devidamente relaxados, nosso cérebro está no estado conhecido como beta, que é inadequado para o aprendizado.

Como estudar ouvindo música?

Ao escolher uma música para estudar, a boa notícia é que você nem precisa ouvi-la de fato. Basta colocar no volume mínimo, pois o efeito será o mesmo

Obviamente, você deve evitar o som com volume alto; o ideal é ser bem baixinho, praticamente inaudível. Contudo, você pode aumentar o volume caso haja algum barulho incomodando. 

Dica: deixe sua playlist previamente preparada. Dessa forma, você não precisará se preocupar com ela enquanto estiver estudando e não perderá a concentração. 

Então, escolha as músicas, seja no Spotify, YouTube ou em qualquer outra plataforma. Depois, verifique se elas abrangem todas as horas que você ficará estudando ou programe o loop. Pronto! Agora é só deixar tocando sem parar com o volume baixo. 

Eu escutava Vivaldi bem baixinho enquanto eu escrevia o meu livro. Às vezes, até tentava colocar outro tipo de música enquanto escrevia, mas me desconcentrava totalmente. 

Por outro lado, isso não acontecia quando ouvia música clássica — e olhe que nem sou fã desse tipo de música, meu negócio é Rock mesmo.

A título de curiosidade, existem mais dois níveis de estado mental:

  • Teta: ocorre quando estamos em sono leve. Aqui é mais fácil nos lembrarmos dos sonhos;
  • Delta: acontece quando estamos em sono profundo e é mais difícil recordar o que se sonhou.

Infográfico com informações sobre os benefícios da música para estudar

Livre para compartilhamento, desde que mencione este artigo com o respectivo link.

O que mais ajuda na concentração além da música? 

Estudar ouvindo música é muito benéfico para melhorar a concentração, mas outros recursos também contribuem para isso, como a meditação

Diversas universidades já comprovaram que ela melhora significativamente a concentração nos estudos, a respiração, o sono e reduz o estresse, dentre outras vantagens. Você começará a ver resultados após um determinado período de prática constante.

Agora, adivinhe qual é o estado em que estamos quando praticamos meditação? É o alfa, claro, por isso seu cérebro vai se concentrar melhor nos estudos. Com o tempo, você saberá entrar e permanecer em alfa com mais facilidade.

Você não precisa, necessariamente, frequentar uma aula de meditação. Hoje é possível encontrar na internet uma infinidade de conteúdos, vídeos e aplicativos que podem te ajudar. 

Vale começar assistindo a vídeos no YouTube para iniciantes e tornar a meditação parte da sua rotina. Entretanto, caso você tenha interesse e curiosidade, invista em cursos com profissionais. 

No começo, pode ser mais desafiador aprender a se concentrar, mas não desista. Inclusive, se ficar em completo silêncio for muito difícil, você pode meditar ouvindo música. É só procurar por “Música para meditar” em qualquer plataforma.

Leia também: Yoga para os estudos: posturas de yoga para aumentar a concentração

 

Deu para entender como escolher uma música para estudar e qual é a mais recomendada? Esperamos ter esclarecido o questionamento inicial e que agora fique mais fácil manter o foco.

Além disso, agora que você já sabe como estudar ouvindo música, saiba que você não precisa tentar fazer tudo sozinho. Quer uma dica? Facilite a sua vida acessando o aplicativo Estudaqui.

Basta fazer um cadastro, escolher a prova que deseja e definir seu nível de conhecimento em cada disciplina da prova escolhida.

Em poucos segundos, o app montará seu ciclo de estudo personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. 

Confira no vídeo abaixo o que é um ciclo de estudo e como fazer um: 

E isso não é tudo! O Estudaqui também permite: 

  • controlar o tempo de estudo de maneira fácil e simples;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado. 

Conheça mais sobre a Estudaqui.

Você sabia que os fundadores e sócios da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCar, UNIFESP, etc.) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES, etc.)?

E tem mais: o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkeley e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Acesse o site e saiba mais sobre o Estudaqui: estudo perfeito na palma da mão.

E, claro, fique à vontade para compartilhar tanto o artigo quanto o infográfico em suas redes sociais e grupos com familiares e amigos. 

Um abraço e bons estudos.