Exercícios Físicos são grandes aliados para melhorar o estudo

Exercícios físicos e estudos: grandes aliados para ser aprovado

Praticar exercícios físicos ajuda muito na concentração e fixação de conteúdos.
Quem pratica exercícios físicos, além de desenvolver melhor o raciocínio lógico e a memória, também tem reflexos apurados e maior foco na realização de atividades escolares ou acadêmicas.

Nesse artigo vamos tentar mostrar quais são as vantagens que a prática regular de exercícios físicos produz ao longo da sua preparação para uma prova concorrida e como ela é uma aliada para o nosso cérebro e para o nosso corpo.

A prática regular de atividade física é fundamental para a qualidade de vida. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que sejam realizados, pelo menos, 150 minutos de atividade moderada por semana. Quando dedicamos de 20 minutos a uma hora durante três vezes na semana, a capacidade de concentração e aprendizado aumenta em torno de 15%. Dessa forma, pensamos com mais clareza e melhoramos a memória.

Para nos dedicarmos ao máximo aos estudos quando estamos no processo de preparação para provas difíceis, é preciso cuidar da mente, do corpo e do espírito. Se não investirmos em nós mesmos, prejudicamos a nossa ferramenta mais eficiente e confiável.


Neurotransmissões e atividade física

O neurônio é uma célula especializada do cérebro que tem a função de conduzir os impulsos nervosos. Essa ação é elétrica, mas quando a transmissão é de um neurônio para outro, ela é química. Um neurotransmissor, que é uma substância química, é liberado pelo neurônio na sinapse, que é a responsável pela comunicação entre neurônios.

Quando realizamos atividades físicas aeróbicas, uma proteína chamada BDNF tem sua produção consideravelmente aumentada. E a BDNF mantém os neurônios saudáveis, ajudando no processo de transmissão e também estimula a neurogênese, isto é, o nascimento de novas células cerebrais. Esse é o grande ganho que a atividade física proporciona ao nosso cérebro.

 


Atividade aeróbica ou anaeróbica: qual a melhor para o cérebro?

Estudos demonstram que a prática de um exercício aeróbico como corrida, caminhada e dança junto com um anaeróbico como musculação proporciona uma melhora exponencial no aprendizado. Mas, estabeleça como prioridade os exercícios aeróbicos. Eles deixam o hipocampo, região cerebral associada à memória e à aprendizagem, mais ativo.

O nosso cérebro consome 1/3 do oxigênio diário. Sendo assim, temos que oxigená-lo muito bem. O que conseguimos principalmente fazendo exercícios físicos aeróbicos como caminhar, correr, nadar ou pular corda, por exemplo.

O alongamento e os exercícios anaeróbicos, como a musculação, também possuem seus benefícios. Além de melhorar o aprendizado, esses exercícios ajudam a fortalecer as suas costas, prevenindo ou diminuindo suas dores e melhoram sua autoestima.

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui. E claro, continue lendo :).

 


Não se esqueça dos alongamentos!

Após muitas HBC’s, é aconselhável que alonguemos pelo menos a nuca, o pescoço e os ombros. Dois alongamentos muito eficientes que podem ser feitos facilmente são:

Exercícios Físicos são grandes aliados para melhorar o estudo 1

  1. Sentado em cima de uma cadeira com encosto reto, apoie suas costas nele e rotacione a cabeça para direita e depois para esquerda. Repita quatro vezes. As rotações devem ser feitas lentamente, durando 15 a 20 segundos cada uma.
  2. Entrelace os dedos das duas mãos, apoie na nuca, empurre lentamente os cotovelos para trás e para baixo. Mantendo os braços abertos, sem forçar o pescoço. Segure a pressão por uns sete segundos, repetindo três vezes com uma pequena pausa entre uma e outra. Esse alongamento pode ser feito sentado ou em pé.

Não deixe de fazer esses alongamentos, pois ajudam a diminuir a tensão muscular na região e minimizam as dores, melhorando a sua concentração ao estudar.

 


Quanto mais exercícios físicos durante o estudo, mais aprendizado?

Calma aí estudante! Não é bem por aí… O efeito dos exercícios físicos aumenta até certo ponto, a partir do qual começa a declinar. Ou seja, como tudo feito com exagero, pode acarretar em malefícios para a sua saúde e também para seus estudos.

Pensando em um gráfico, tem a forma de um “U” de cabeça para baixo. Ou seja, caso realizemos exercícios físicos em excesso, nosso aprendizado piorará.

Exercícios Físicos são grandes aliados para melhorar o estudo 2

Seja qual for a atividade física que você escolher, é importante que ela seja prazerosa e relativamente intensa. Seu corpo agradecerá, principalmente o seu cérebro, tanto pela melhora química dos neurônios quanto na melhor oxigenação.

E agora que você já sabe quais exercícios irão te ajudar a estudar melhor, saiba também a forma mais rápida e fácil de conseguir estudar em alto desempenho durante o tempo em que você está estudando.

Você não precisa, e nem deveria, tentar fazer tudo sozinho, facilite a sua vida usando uma tecnologia como a do aplicativo Estudaqui para te guiar diariamente.

Em poucos segundos o app monta seu ciclo de estudo perfeito personalizado, sem você precisar ter qualquer trabalho. E isso não é tudo! O Estudaqui ainda permite, automaticamente:

  • controlar o tempo de estudo de maneira simples e fácil;
  • acompanhar as porcentagens de acerto em qualquer celular ou tablet;
  • ver relatórios de conclusão de estudo e avanços do conteúdo;
  • rever o histórico de tudo o que foi estudado;
  • tomar ações para melhoria de desempenho com ajuda da melhor tecnologia de estudo do mercado.
  • Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui: estudo de alto desempenho, simples e acessível a todos!

Fique à vontade para compartilhar o artigo nas redes sociais.

Um abraço, Tiago Ribeiro Neves.

Ver todos os artigos de Tiago Ribeiro Neves