Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA

Ciclo de estudos para concursos públicos | PARTE PRÁTICA

Aprenda como montar o seu Ciclo de Estudos para concursos por meio de 3 exemplos voltados para os concursos públicos da área fiscal.

Depois de te apresentar os conceitos e as vantagens do plano de estudo baseado no método de “Ciclo de Estudos”, no artigoCiclo de estudos para concursos públicos | Entenda o conceito, exemplificaremos a forma de montagem dos ciclos por meio de exemplos práticos.

Acreditamos que essa seja a melhor forma de sedimentar o conhecimento e tentar responder aos inúmeros questionamentos que sempre surgem quando os concurseiros conhecem este método de plano de estudo para concurso público, pela primeira vez.

Se você não leu a primeira parte deste artigo, sobre os conceitos que envolvem a criação de um ciclo de estudos ideal, clique aqui para lê-la agora mesmo.

A ideia dessa segunda parte do artigo é explicar a lógica da montagem do ciclo de estudos para concurso e mostrar como o tamanho do conteúdo programático, complexidade, peso em relação ao total da prova e sua habilidade/conhecimento em cada disciplina, podem interferir nesta montagem. 

Faremos isso por meio de 3 exemplos de alguns dos maiores concursos da área fiscal

  • Analista-Tributário da Receita Federal do Brasil (ATRFB);
  • Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (AFRFB);
  • Auditor dos Fiscos Estaduais (ICMS). 

Se você não está estudando para a área fiscal, não se preocupe: a ideia aqui é demonstrar como criar seu próprio ciclo de estudos para concurso, e não tomar os exemplos aqui utilizados como uma receita universal. 

O importante é que você compreenda a técnica para passar em concurso. A partir disso você poderá aplicá-la para qualquer área, incluindo tributária, policial, bancária, resumindo, todas elas.

Como afirmamos no artigo anterior, caso você já tenha aprendido como o ciclo de estudo para concurso funciona e não tenha dificuldades na hora de montar o seu próprio ciclo, fique tranquilo, os próximos conteúdos irão abordar outros temas.

Daremos ao final deste artigo uma dica de ouro que irá revolucionar a maneira como você cria o seu ciclo de estudo. Além de otimizar muito o seu tempo de estudo de qualidade!

Leia até o final!

Faço apenas uma breve pausa no artigo para deixar claro que eu, Alexandre Meirellesnão tenho qualquer relação com a Estudaqui e que não ganho nada ao escrever esses artigos e nem ao indicar o aplicativo Estudaqui. Indico o aplicativo e apoio o site porque gosto e porque eles são realmente os melhores do mercado no que fazem, são de longe a melhor opção!

Para facilitar seu aprendizado, colocaremos primeiro uma listagem muito resumida dos passos básicos de como fazer um ciclo de estudos, e depois colocaremos os detalhes no restante do artigo.

Como fazer um ciclo de estudos

  • Defina o tamanho do Ciclo;
  • Analise e pondere as disciplinas;
  • Defina a quantidade de blocos;
  • Faça a alocação das matérias;
  • Realize os ajustes finais.

Agora sim, vamos te mostar mais detalhes de cada passo. Siga lendo.

Ciclo de Estudos para Concursos: PRÁTICA

Inicialmente, vamos listar os passos que você deve ter em mente na hora de construir o seu próprio Ciclo de Estudos (inserimos no final do artigo uma ilustração com os 5 passos), então vamos entender cada um deles para aprender como fazer Ciclo de Estudos:

Defina o tamanho do Ciclo

Defina quantas horas terá o seu ciclo de estudo para concurso. Leve em consideração que ciclos longos podem desmotivá-lo e ciclos curtos implicam em pouco tempo de estudo por bloco.

Analise e pondere as disciplinas

Identifique qual o seu nível em cada disciplina e atribua mais tempo para as que você possui mais dificuldade ou que tenha mais peso no concurso que irá prestar.

Defina a quantidade de blocos

Defina quantos blocos de estudo cada disciplina terá, lembrando que cada bloco de preferência deve ter no mínimo 1h e no máximo 2h30min.

Faça a alocação das matérias

Tente alocar os blocos de modo que as disciplinas fiquem igualmente espaçadas, ao mesmo tempo que disciplinas teóricas e de raciocínio sejam, na medida do possível, alternadas.

Realize os ajustes finais

Avalie a sequência que montou e veja se há alterações de posições necessárias para que blocos no final do ciclo não coincidam com blocos no início do ciclo, uma vez que, em algum momento, você terá que recomeçar o ciclo.

Você sabia?

Os fundadores da Estudaqui foram aprovados nos melhores vestibulares (USP/FUVEST, UFSCAR, UNIFESP etc) e também nos melhores concursos do Brasil (Auditor Fiscal de SP, do MT, do ES etc). E o projeto da Estudaqui foi validado por eles em alguns dos melhores cursos de empreendedorismo do mundo (Stanford, UC Berkely e Draper University), no Vale do Silício, na Califórnia.

Conheça nossa história e o aplicativo de estudo da Estudaqui. E claro, continue lendo :).

Exemplos de Ciclo de Estudo para Concurso

Tendo em mente os passos necessários, vamos aos exemplos:

1º EXEMPLO – Ciclo de estudos inicial para ATRFB com 24h:

Inicialmente, imagine um concurseiro que está começando a aprender como se organizar para estudar para concurso, iniciando os seus estudos, por exemplo, para a área fiscal, e que mira o concurso de Analista-Tributário da Receita Federal do Brasil (ATRFB). 

Neste primeiro momento, consideramos importante utilizar um ciclo de estudos para concursos maior, com duração maior de horas em cada disciplina, e um número reduzido de disciplinas. 

Pode começar com um ciclo de 24h, por exemplo, com as 6 disciplinas consideradas básicas para a área fiscal:

  • Contabilidade;
  • Português;
  • Raciocínio Lógico;
  • Direitos Tributário;
  • Administrativo e Constitucional.

O modelo ficaria como o seguinte:

Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA 1

Nós chamamos a disciplina de Raciocínio Lógico para seguir a nomenclatura que a ESAF (antiga banca do concurso) adotava na época em que fizemos esse quadro, mas o mais certo teria sido chamar de Exatas, pois engloba Raciocínio Lógico propriamente dito, Matemática básica, Matemática Financeira e Estatística. 

Caso você queria estudar duas ou três dessas paralelamente, o melhor seria dividir os dois blocos de Raciocínio Lógico para cada uma das disciplinas escolhidas, como Matemática básica e Matemática Financeira. Fica a seu critério.

Consideramos esse ciclo de estudo para concursos muito bom para quem está começando a estudar para a área fiscal.

Para Contabilidade, como demora mais para pegar sua base e o programa é imenso, há uma boa quantidade de horas, assim como Direito Tributário. 

Leia também: O que estudar para concurso público na área Fiscal?

Os tempos de estudo em cada disciplina são maiores, porque nessa fase inicial é muito mais teoria e demora a pegar o ritmo em cada uma e a engrenar no estudo. Após uma boa quantidade de rodadas nesse ciclo de estudos para concursos, você poderá aumentar o número de disciplinas, reduzir a carga horária de cada uma das básicas e futuramente passar para um ciclo de estudos menor, como de 16h. Mas aconselhamos a só fazer isso se estiver perto de sair o edital do concurso ou a sua base nessas disciplinas estiver boa.

Observação: Se você está começando os seus estudos para a área fiscal e mira o concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (AFRFB), este ciclo também pode ser utilizado. 

Como abordamos anteriormente, estas seis disciplinas contidas neste ciclo são consideradas básicas para a área fiscal e têm uma importância enorme para o concurso de AFRFB. 

O conteúdo programático para o concurso de Analista é um subconjunto do conteúdo para Auditor. A única ressalva e alteração que faríamos no ciclo proposto inicialmente é o aumento do número de horas em Direito Constitucional (de 2h para 4h) tendo em vista que o conteúdo desta disciplina para o concurso de Auditor é muito maior do que para o de Analista. 

Essas 2h adicionais poderiam ser incluídas entre Raciocínio Lógico e Contabilidade e, assim, o ciclo inicial para AFRFB teria 26h.

Continuando nossos exemplos de Ciclo de Estudos para Concursos, alguém pode estar se perguntando: “Ué, e por que ele é chamado de ciclo se é em forma de quadro?“. Porque desenhar e organizar um ciclo dá muito mais trabalho, só por causa disso. 

Veja só como ficaria essa mesma tabela com uma verdadeira cara de ciclo, começando no ponteiro do “meio-dia”, pensando em um relógio:

Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA 2

E qual ordem você deve seguir? Suponhamos que você começou hoje seu novo ciclo, então você começará lá na 1ª disciplina da 1ª linha, que é Contabilidade, e a estudará por 2h30min Acabadas as 2h30min, passe para a disciplina seguinte, que é Direito Tributário e a estude por mais 2h30min Acabou? Então vá para Raciocínio Lógico por 2h. Acabou? Então está na hora de ver Contabilidade de novo, por mais 2h30min. E por aí vai até estudar as 2h de Direito Administrativo no último quadrinho. 

Quando você terminar, terá estudado as 24h do ciclo e terá dado uma “rodada” nele. Daí, é só começar tudo de novo, lá da 1ª disciplina do 1º quadrinho, que é Contabilidade.

A essa hora deve ter algum concurseiro que está estressado de tanto estudar nos últimos meses se perguntando: “Ué, e que horas vou dormir ou trabalhar? Este cara é louco! Por isso que ele passou e eu ainda não!“.

Calma, caro sofredor com o cérebro em frangalhos, nós só passamos a ordem de disciplinas a serem estudadas, mas o ritmo quem vai ditar é você

Se hoje você tem 3h30min para estudar e está começando o ciclo pela 1ª vez, estude as 2h30 de Contabilidade, passe para mais 1h de Direito Tributário, seguindo a ordem do ciclo dado, e pare. Você cumpriu sua meta de hoje, durma tranquilo e sonhe com a Código Tributário Nacional (CTN). 

Mas, você está devendo 1h30min de Tributário para amanhã, ok? Claro, ou pensou que íamos nos esquecer que você tinha que ter estudado 2h30min e só estudou 1h? Então amanhã, quando recomeçar seus estudos, pague sua 1h30min de dívida e siga com mais 2h de Raciocínio Lógico e por aí vai.

Como mencionado anteriormente, o ritmo do Ciclo de Estudos para concursos quem dita é você. O ciclo dita apenas a ordem e a duração do estudo de cada disciplina

Se hoje você acordar febril ou se tiver que levar sua mãe ao médico, estude o que der, continuando de onde parou no dia anterior e amanhã continue de onde parar hoje. Se você vai levar três, cinco ou oito dias para completar uma rodada do ciclo, beleza. Você que sabe quantas horas tem disponíveis para estudar por dia. Obviamente, a ideia é rodar o ciclo de estudos para concursos no menor tempo possível.

Alexandre Meirelles, criador do Ciclo de Estudo, relatou que se preocupava tanto em rodar o ciclo que conforme ia estudando cada quadrinho de cada disciplina, ele marcava um sinal de “certo” no quadrinho e colocava a data. Ao final, ele via em quantos dias tinha rodado o ciclo.

Se fosse em menos tempo que a rodada anterior, ele ficava feliz, caso não, ele analisava onde tinha cometido seus pecados por ter diminuído o ritmo e se cobrava em completar a próxima rodada em menos tempo. 

Lembre-se sempre: “Estudar para concurso público funciona regido por auto cobrança“. Sempre falamos isso  e continuaremos acreditando nessas palavras.

Você também pode utilizar “Aplicativos para concursos públicos” para ter acesso a todos os benefícios que um aplicativo pode trazer para sua produtividade.

2º EXEMPLO – Ciclo de estudos intermediário para a AFRFB com 20h:

Passados alguns meses, vamos imaginar que aquele concurseiro que está estudando para o concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (AFRFB) foi incorporando outras disciplinas ao seu Ciclo de Estudos para Concursos e alterando a sua duração e outros detalhes mais. 

Um belo dia chegou ao ciclo abaixo, por exemplo, que contém 10 disciplinas e uma duração total de 20h. Ou seja, ele agora vê 10 disciplinas a cada 20h de estudo, ao contrário das seis disciplinas vistas em 24h no ciclo inicial.

Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA 3

O ciclo acima pode ser visualizado a seguir:

Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA 4

 

Perceba que desta vez chamamos de Exatas o que a ESAF (antiga banca do concurso) chamava de Raciocínio Lógico, fizemos isso só para mostrar que tanto faz a nomenclatura que utilizar.

A ideia desse Ciclo de Estudos para Concursos é que você já está adiantado em várias disciplinas como Direito Constitucional, Direito Administrativo e Português e, por isso, já pode diminuir consideravelmente o tempo de estudos dessas disciplinas em cada bloco estudado. 

Por outro lado, ainda deve manter uma boa carga em Contabilidade, Direito Tributário e Exatas (Raciocínio Lógico) em virtude de essas disciplinas apresentarem conteúdos programáticos muito extensos.

Perceba que, nesse momento, muitas disciplinas já devem ter sido estudadas por completo e não há mais a necessidade de blocos contíguos de 1h30min a 2h30min de cada uma, podendo estudar por um período menor (de 1h a 1h30min), pois é basicamente revisão da teoria e resolução de exercícios.

Olhando para o último edital de AFRFB, o de 2014, só faltaria incluir na sua programação de estudo diário Comércio Internacional e Língua Estrangeira, que são disciplinas que geralmente não demandam muito tempo para a sua compreensão.

3º EXEMPLO – Ciclo inicial para Auditor do ICMS com 24h:

Neste terceiro exemplo de Ciclo de Estudos para Concursos, vamos imaginar um concurseiro que está começando os seus estudos para a área fiscal e mira os concursos de Auditor dos Fiscos Estaduais (popularmente conhecidos como Fiscais do ICMS). 

Mais uma vez, consideramos importante utilizar um ciclo maior (pode começar com um de 24h, por exemplo). Agora, além das seis disciplinas consideradas básicas para a área fiscal (Contabilidade, Português, Exatas e Direitos Tributário, Administrativo e Constitucional), incluiremos Legislação do ICMS e Economia. O resultado é apresentado a seguir:

Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA 5

 

O mesmo ciclo pode ser visualizado abaixo:

Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA 6

 

É lógico que diferentemente do primeiro exemplo em que pegamos um concurso específico, neste caso estamos falando de 27 concursos possíveis (26 Estados e o Distrito Federal). 

Assim, este Ciclo de Estudos para Concursos é baseado no que é exigido para a MAIORIA dos concursos para Fiscal do ICMS e que pode ser usado na preparação de quem não tem, ainda, uma definição. 

Leia mais em: Concurso para auditor fiscal: como aproveitar as opções semelhantes?

Afirmamos isso, pois se você já se decidiu por uma carreira específica e na sua prova você tem certeza de que não é exigida Economia, por exemplo, não faz sentido o estudo desta disciplina.

Esclarecemos, ainda, que aqui separamos Matemática Financeira de Raciocínio Lógico (na Receita Federal o Raciocínio Lógico inclui, além do próprio, Matemática Financeira, Estatística e Matemática do vestibular). Tal separação é facultativa; você poderia chamar tudo só de Exatas, caso preferir.

Como Economia e Legislação do ICMS são matérias bem extensas e complicadas, coloquei-as logo no início do estudo. Em relação à Legislação do ICMS, nesta fase inicial dos estudos é interessante estudar e entender a parte geral e que é comum a todos os Estados como o que está previsto na Constituição Federal e na Lei Complementar nº 87/96, a famosa “Lei Kandir”. 

Deixe para estudar as especificidades de cada legislação estadual apenas depois de sedimentado tal conhecimento básico, o que pode demorar alguns meses de estudo.

Mais uma vez, pense sempre em qual proporção do total você está estudando para cada disciplina. Pense assim: “será que 7h30min. de Contabilidade em um total de 24h de estudo é pouco ou exagero? “, e por aí vai. 

Obviamente você terá que pesar a importância, a dificuldade e o tamanho de cada disciplina, ao montar o seu Ciclo de Estudos para Concursos.

Na área fiscal, o principal dragão, disparado, é Contabilidade, logo, o peso dela tem que ser sempre grande.

Depois deste último exemplo, gostaríamos de fazer algumas considerações para você entender alguns dos passos utilizados na construção do Ciclo de Estudos para Concursos e tentar aplicar na hora em que estiver estudando:

O cérebro é dividido em dois hemisférios, ok? Grosso modo, o esquerdo é mais ligado às Ciências Exatas e o direito, à decoreba, como os Direitos. 

Então uma grande jogada é você intercalar o uso dos dois hemisférios, para pegar sempre aquele lado que você utilizará mais um pouco mais descansado. 

Se estudar direto várias horas dos Direitos Tributário, Constitucional e Administrativo, pode até parecer que está variando de disciplina, mas para o seu cérebro é tudo a mesma coisa e ele vai se cansar mais rapidamente, porque estará utilizando sempre as mesmas regiões. 

O mesmo vale se for estudar seguidamente Raciocínio Lógico, Estatística e Matemática Financeira. Para o seu cérebro é tudo farinha do mesmo saco. Por isso, sempre que possível, alterne as Exatas com as Decorebas. Assim seu cérebro será utilizado de forma mais adequada, com regiões descansadas. Caso seu concurso seja só decoreba, como a área jurídica, por exemplo, esqueça essa dica, claro.

Se você tiver duas disciplinas mais teóricas na sequência, uma sugestão que daríamos é que você aumentasse um pouco o intervalo entre as disciplinas, ou seja, desse uns 15 a 20 minutos de descanso entre uma e outra. E neste intervalo, desligue-se do estudo ou no máximo organize sua mesa ou a própria matéria a ser estudada. 

Seu cérebro precisa de um descanso de tempos em tempos

Quanto é este tempo ideal para fazer intervalos? 

Isso depende de cada um, mas não acreditamos em estudos contínuos menores que 50 minutos ou maiores que 2h30min. Mas é como já dissemos, depende de cada um.

Alexandre Meirelles relata que fazia um intervalo a cada 1h a 2h30min no máximo, dependendo da disciplina e da sua disposição naquele dia, além da dor na coluna, que lhe atrapalhava bastante. 

O criador deste modelo de ciclo de estudo afirma ainda que, após ter estudado mais sobre o assunto, ele não passaria de 1h15min sentado direto. Para completar as 2h30min de estudo de uma disciplina, ele faria um intervalo curto de uns cinco a dez minutos no meio. Talvez se ele tivesse feito mais intervalos curtos quando estudou, não teria ficado tão mal da coluna na época.

Por isso, evite estudar direto mais de 2h30min cada disciplina, mesmo fazendo um intervalo no meio, porque seu rendimento será bem menor. 

A ideia é variar bastante as disciplinas. Duas horas já é um ótimo limite na maioria das vezes, porque mais do que isso vale mais a pena você dividir em blocos diferentes. Estudar 30min, por exemplo, salvo algumas exceções, também não é proveitoso, porque você ainda estará entrando no ritmo e terá que parar, mas mais do que 2h30min só em casos extremos. 

Se você montou um ciclo de estudos de 16h, por exemplo, e reservou 3h30min para Contabilidade, separe essas 3h30min em dois ou três blocos. Isso trará duas vantagens imensas: 

  1. você sempre estudará a matéria com a cabeça pronta para aprender, o cérebro pronto para as novidades, e não entrará na curva descendente de aprendizado, quando seu rendimento cai demais após algum tempo contínuo de estudo de uma mesma disciplina;
  2. você estará sempre vendo aquela matéria, o que é ótimo para manter boa sua memória. Nesse exemplo dado, separando Contabilidade em dois ou três blocos, você estudará essa disciplina praticamente todos os dias, e não em um dia aqui e outro lá na frente, proporcionando um aproveitamento muito melhor do que se estudasse 3h30min direto.

Pode parecer muita coisa para se pensar na hora de organizar um Ciclo de Estudos para Concursos, mas lá pelo 3º ciclo você já estará fera nessas coisas. E mais: conforme você vai utilizando o ciclo, você mesmo já vai pensando em como fará seu futuro ciclo, a coisa sairá naturalmente. 

E se você quer otimizar ainda mais seu tempo, como falamos acima, você pode adotar um app para ciclo de estudos, que monta seu plano considerando todos esses aspectos que listamos acima, e ainda faz tudo isso automaticamente. 

Hoje em dia o Estudaqui é sem dúvida alguma o único do mercado que consegue fazer isso com maestria. Os concorrentes não conseguem fazer ciclos eficientes, o que pode te atrapalhar muito.

Caso você decida fazer tudo manualmente por sua conta, não é para perder seu tempo de estudo fazendo estes ciclos, é para fazer naqueles minutos de intervalo ou quando seu cérebro e seu corpo estiverem saturados, querendo realmente um descanso.

Quer ganhar tempo e eficiência ao criar seu ciclo? O aplicativo Estudaqui pode ser a solução que você precisava para montar um plano de estudos eficiente, personalizado e que atenda às suas necessidades.  

Você também usará o aplicativo para marcar os seus estudos diariamente e acompanhar a sua evolução. Assim poderá melhorar diariamente a eficiência dos seus estudos.

Com ele você sabe como, quando e o que estudar.

Acesse o site e conheça mais sobre o Estudaqui. Você pode economizar muito tempo e otimizar seus horários de estudo.

Ciclo de estudos para concursos públicos PARTE PRÁTICA - Infográfico

Livre para compartilhamento, desde que mencione este artigo com o respectivo link.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Ver todos os artigos de Alexandre Meirelles.